Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência. Ao navegar no mesmo, está a consentir a sua utilização. Caso pretenda saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade
Aceito

FAQ

Tenho o poder de realizar um sonho
Onde decorrerá o processo de doação de ovócitos?

A doação deverá ser feira em Coimbra, na Ferticentro

Receberei algum pagamento pela doação?

A lei portuguesa determina que a doação de ovócitos seja um processo voluntário, de carácter benévolo e altruísta.

Contudo, e para fazer face às despesas efectuadas ou aos prejuízos direta e imediatamente resultantes da dádiva, as dadoras recebem uma compensação económica de 843€, nos termos fixados pelo Conselho Nacional de Procriação Medicamente Assistida, de acordo com o previsto no nº3 do Artigo 22 da Lei 12/2009, de 26 de Março e no Despacho nº3192/2017 publicado no Diário da República, 2ª série – Nº75, 17 de Abril de 2017.

A doação de ovócitos afecta a fertilidade?

As mulheres nascem com cerca de 400 mil ovócitos. A partir da puberdade, a cada 28 dias (no caso das mulheres com ciclos regulares), um desses ovócitos amadurece e, se não for fecundado, é eliminado na menstruação.

Nos nossos tratamentos habitualmente obtemos 5 a 8 ovócitos, pelo que a capacidade das dadoras virem a ter filhos próprios no futuro não é posta em causa.

Dói doar óvulos?

O processo de doação de ovócitos habitualmente não causa dor mas pode causar algum desconforto. Terá de fazer um determinado número de análises e ecografias antes da doação, e tomar medicação para estimular os seus ovários a produzirem mais óvulos. A nossa equipa do Programa de Doação de Ovócitos falará consigo sobre quaisquer riscos possíveis relacionados com a medicação.

A punção dos ovócitos é realizada sob sedação e poderá ser recomendado que tome medicação para aliviar a dor e antibióticos, antes do procedimento. O procedimento por norma não é doloroso e pode regressar a casa após um ligeiro período de recobro. É natural que se sinta sonolenta no período após a punção. A equipa de enfermagem estará contatável durante todo o dia, caso necessite falar com alguém ou se sinta indisposta.

Como se atribui a dadora à receptora?

Por norma, atribui-se uma dadora a uma mulher ou casal com características físicas semelhantes – cor da pele, cor do cabelo, cor dos olhos. Também é tida em consideração a altura, peso e outras características físicas distintivas. Em alguns casos, faz-se também a atribuição de acordo com o tipo/grupo sanguíneo, se a mulher ou casal recetor assim o solicitar.

Quantas vezes pode uma dadora doar?

Uma mulher pode fazer até três ciclos com doação de ovócitos, com pelo menos 6 meses de intervalo entre cada um.

A dadora poderá ser considerada a mãe da criança nascida da doação?

Na sequência do Acórdão Nº 225/2018 de 24 de abril do Tribunal Constitucional, os dadores de gâmetas deixaram de ser anónimos. Cabe agora ao Parlamento a publicação da Legislação que determinará a forma como as crianças nascidas na sequência destes tratamentos poderão aceder a informação sobre a identidade civil dos dador(es) que lhe deram origem.

No entanto, é importante clarificar que:

  • os dadores de gâmetas não têm quaisquer direitos ou obrigações parentais sobre as crianças nascidas da sua doação, isto é, os dadores nunca podem ser havidos como pais das crianças nascidas;
  • os casais ou mulheres beneficiárias da doação (isto é, que recebem os gâmetas doados), não têm acesso a qualquer informação identificativa sobre a dadora;
  • o Acórdão do Tribunal Constitucional recomenda que o acesso à informação identificativa das dadoras seja concedido apenas às crianças nascidas desses tratamentos, sendo que a interpretação dominante desta norma é no sentido de que esta informação apenas seja acessível após a maioridade (isto é, depois de a criança nascida completar 18 anos).
O exercício intenso pode prejudicar a fertilidade?

O tema do exercício físico e da fertilidade tem sido amplamente debatido, sem resultados unânimes entre os diversos autores. É, no entanto, globalmente reconhecido que o exercício físico moderado é benéfico na melhoria da fertilidade em todas as mulheres. O exercício vigoroso pode melhorar a fertilidade nas mulheres obesas, mas pode ser prejudicial nas mulheres com peso normal.